E se eu largar tudo?

Vendo o carro e vou pro mundo

Saber do que eu quero viver

Ou ser o que posso escrever.

Meu sonho mesmo é ser tranquilo

Assim como vaga o rio

Quero ser amor a fluir,

Sem me importar com aquilo

Que o outro desata a rir.

Vai que eu desaguo no mar

Encontro a saudade e fico por lá,

Junto com a parte que falta,

No oceano talvez vou morar.

Quem sabe eu escrevo um livro

Sobre a estranha loucura

Dos que morrem todo dia

Tentando fora a cura.

Meu sonho mesmo é ficar tranquilo

Não gosto muito de serviço.

O sistema está mais que falido

Pra que eu tenho que fazer isso?

Hoje é mais um daqueles dias, fudido

Tudo perde o sentido.

Trabalhar sublimou o nexo,

Quem já a máquina operou

Sabe que não sobra tempo

Nem para fazer sexo.

E se eu largar tudo e fugir?

Ir para as montanhas e bem alto subir

Até que eu me tire a esperança

De sobreviver à rotina operária

Dos santos que jogam a dança

Dos corruptos que sujam minha cara…

Otária!

Felipe Abras